Beira Meu Amor

A Beira foi o grande amor da minha vida. Recebeu-me com seis anos, em Novembro de 1950 e deixei-a, com a alma em desespero e o coração a sangrar, em 5 de Agosto de 1974. Pelo meio ficaram 24 anos de felicidade. Tive a sorte de estar no lugar certo, na época certa. Fui muito feliz em Moçambique e não me lembro de um dia menos bom. Aos meus pais, irmão, outros familiares, amigos e, principalmente, ao Povo moçambicano, aqui deixo o meu muito obrigado. Manuel Palhares

Archives
A minha fotografia
Nome:
Localização: Odivelas, Lisboa, Portugal

segunda-feira, abril 03, 2006

No Crepúsculo


Íamos de mãos dadas pela praia, junto à água. Estávamos, no ciclo das marés, em baixa-mar e o mar estava chão, parecia uma piscina. O Sol explodia em tons de amarelo, laranja e vermelho. Descia e preparava-se para se esconder no horizonte. Soprava uma brisa ligeira e cálida que envolvia os nossos corpos ainda molhados, numa doce sensação de prazer.
Convidei-te a subirmos um pouco, para nos sentarmos onde a areia não estivesse molhada. Olhaste para mim com um rosto tão sereno, onde os teus lindos olhos riam ao desafio com os teus dentes e eu, como sempre que isso acontecia, ficava como que em hipnose, preso a tanta fascinação. Sentámo-nos e eu aninhei a minha cabeça no teu colo. Tu, com os teus dedos finos e longos, penteavas-me o cabelo. Eu, fechei os olhos, e naquele momento não queria mais da vida, excepto perpetuar aquele instante. Depois, agradeci-te os anos que passámos juntos: na saúde e na doença, nas alegrias e nas tristezas, nos êxitos e nos inêxitos.
Os filhos que criámos e que são o nosso orgulho, vieram um pouco tarde, mas até nisso não nos devemos lamentar. Como teria sido, há trinta e dois anos, se os tivéssemos que criar nos quartos alugados por onde andámos?! Assim, sempre se conheceram na mesma cidade, no mesmo bairro e na mesma casa. Têm raizes. Jurámos que íamos fazer tudo para que com os nossos filhos não acontecesse o que se passa connosco - não são e não se sentem apátridas como nós. Lembraste quando me dizias, "A minha Terra não é esta"? No meio de tanta luta que nos faz hoje precocemente cansados e envelhecidos, vacilámos algumas vezes, mas mesmo nos momentos mais complicados, continuámos todos os dias, um a seguir ao outro, a reconstruir tudo o que perdemos e hoje não temos razões para nos queixar. Quando chegar a hora, podemos partir com a sensação do dever cumprido. Que mais podemos desejar neste mundo de tantas desigualdades e injustiças? Até nos devemos considerar previlegiados, em relação à grande maioria dos nossos semelhantes por esse mundo fora.
Fomos protagonistas de um processo histórico - o fim do colonialismo europeu em África.

Manuel Palhares

Odivelas, 3 de Abril de 2006.

16 Comments:

Anonymous Isabel said...

Manel
AMOR se chama
Essa Chama que Arde
VOS UNE
Que DEUS Vos continue Abençoar
E vos deixe assim juntinhos,
Viver por muitos anos ainda.
Juntos e com saúde, alegria e paz.
Porque as provações que tiveram
Foram as que vos muito ajudaram
A essa LUZ tão bela
Ainda hoje resplandecer.
Um beijinho aos DOIS.
Isabel
Teu testemunho é lindo.

segunda-feira, abril 03, 2006 8:18:00 da tarde  
Blogger Manuel Palhares said...

Isabel,

Obrigado por palavras tão amáveis.
Um beijinho,

Manel

terça-feira, abril 04, 2006 1:00:00 da tarde  
Anonymous M.Costa said...

Manel
Gostei mas não quero comentar. Continuem assim.
Um abraço
M. Costa

terça-feira, abril 04, 2006 2:46:00 da tarde  
Blogger Manuel Palhares said...

Costinha,

Obrigado pela visita.
Um abraço,

Manel

terça-feira, abril 04, 2006 5:55:00 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

É tão lindo aquilo que realmente une um casal, compreensão, confiança, amor apesar de todas as vicissitudes! Como dia a Isabel, que Deus vos continue a abençoar.
Um beijinho
MManuel

quarta-feira, abril 05, 2006 12:43:00 da tarde  
Blogger Manuel Palhares said...

Maria Manuel,

Muito obrigado.
Todos nós tivemos que passar por bocados e situações desagradáveis, quanto mais não seja, não ter sido por nossa opção, o termos que vir para cá e recomeçar tudo de novo.
Mas sobrevivemos, embora com a alma cheia de nostalgia pelas raízes que lá ficaram...
Um beijinho,

Manel

quarta-feira, abril 05, 2006 5:46:00 da tarde  
Blogger matisfolle said...

Manel,

Que bela declaração de amor.
Quis escrever-te algo a condizer mas a minha cabeça anda ocupada com outras coisas.
De qualquer das maneiras, só me lembrava duma música dos Beatles que, em determinada altura diz :

Will you still need me,
will you still feed me,
When I'm sixty-four.

E a letra dessa música, para mim está toda representada nesses versinhos.

Como deve ser maravilhoso o amor manter-se assim, e com os frutos que tem também eles cheios de amor.

Faço, de coração, um brinde a ti e à tua esposa.
Que esse amor vos continue a acompanhar sempre e sempre e sempre e......

Beijinhos

quarta-feira, abril 05, 2006 10:51:00 da tarde  
Blogger Manuel Palhares said...

Coca-Coca,

Muito obrigado minha amiga, muito obrigado.

Como eu tenho tudo dos "Escaravelhos", vou procurar esta noite e ouvir.

Sabes, a casca, por fora é que está muito gasta...

Que lindo o brinde que nos fazes com o teu coração!

Um beijinho para ti, com muita amizade e carinho.

Manel

quarta-feira, abril 05, 2006 11:12:00 da tarde  
Blogger matisfolle said...

Manel,

Eu sabía que havia de voltar ...

O amor está no ar
Viveu sempre a teu lado
Foi incentivo ao caminhar
É teu constante amparo

Adivinho filhos maravilhosos
- Percebe-se no teu falar -
Ele, orgulhoso do Pai ajudar
Ela, deixando tempos saudosos

Que bom pudeste dividir
Essa benção, com siceridade
É maravilhoso poder sentir
Contigo, essa felicidade

Ontem um brinde fiz
De todo o coração
Que sejas muito feliz
Essa é a condição

E por não te conhecer
Por sermos só virtuais
Fico aqui a torcer
Para um dia sermos reais.

Beijo carinhoso a ti aos teus ( se me é permitido ).
Fiquem bem.

quinta-feira, abril 06, 2006 9:11:00 da tarde  
Blogger Manuel Palhares said...

Coca-cola,

Obrigado por estes versos que foram muito do meu agrado.
Para em parte a eles te responder, digo-te que hoje fui arrastado pela filha que chegou no sábado e achou que nestes seis meses da sua ausência, o pai no vestir se descuidou. Foram três horas de banho de loja e falando pouco e baixo, num virote colocou, os conhecidos e amigos proprietários. No fim, sem nada pedirmos, um deles, ainda em hora de loja aberta, a casa de BMW nos veio trazer: a nós e aos sacos.
Com estas coisas a mimarem-me, como não hei-de de me sentir feliz?!
Um bom fds, obrigado por tudo e um beijinho,

Manel

sexta-feira, abril 07, 2006 8:23:00 da tarde  
Blogger matisfolle said...

Manel,

Não resisto....não adianta porque é mais forte que eu....


De BMW a casa te levaram
Depois de tantos eventos
Em dandy te transformaram
O tal senhor doutros tempos

Um banho de loja tomaste
Com a filha prestimosa
Mais xunguila decerto ficaste
E ela, do Pai, orgulhosa

Camisas, calças, casacos
Gravata borboleta talvez
Ah, mas esqueceram os sapatos
Vão ter de voltar outra vez

Mas pra tudo correcto ficar
Falta a mamãe aprontar
Depois sair, comemorar
E à luz de velas jantar

E depois d'esmerada refeição
Vão querer o carro dispensar
E como enamorados que estão
A pé para casa voltar

Tchim ... tchim

Durmam com os anjos.
Bjs

sábado, abril 08, 2006 1:21:00 da manhã  
Blogger Manuel Palhares said...

Coca-Cola,

E eu não digo?!
Eu não estou por certo muito enganado quando digo que temos nesta amiga uma poetisa de primeira água. E se um dia deixar a quadra e se preocupar menos com a rima, mas antes com o conteúdo dos seus belos e sentidos versos, então vai ser um caso sério. Muito sério mesmo.
Um beijinho,

Manel

sábado, abril 08, 2006 2:19:00 da tarde  
Blogger DE TUDO UM POUCO said...

O blog do senhor é muito interessante!!Sou do Brasil,do Rio de Janeiro e gostaria muito de conhecer pessoas de outros países de Língua portuguesa.Sou estudante de Letras Português/Inglês,gosto de ler e escrever e aproveito para divulgar meu blog,que está apenas começando!!www.detudoumpoucorj.blogspot.com

domingo, abril 09, 2006 4:21:00 da manhã  
Blogger Manuel Palhares said...

Gabriela Barbosa,

Olá minha jovem amiga.
Muito obrigado pela sua visita ao meu blog e pelas suas amáveis palavras.
Apareça por aqui sempre que lhe apetecer e será para nós todos um prazer trocar opiniões consigo: de tudo um pouco, como o nome do seu blog.
Um beijinho,

Manuel

domingo, abril 09, 2006 9:49:00 da tarde  
Anonymous Mayra Meireles said...

Manel,
Lindo...lindo...lindo demais!!!
No "Soneto da Fidelidade", o Vinícius de Moraes encerra dizendo assim:
"Que não seja imortal, posto que é chama,
Mas que seja infinito enquanto dure"
Essa tua chama não apagou, nem apagará nunca, pois foi solidificada em meio à vários problemas superados.
Beijos para os dois,
Mayra

sexta-feira, abril 14, 2006 10:11:00 da tarde  
Blogger Manuel Palhares said...

Mayra, minha amiga,

Já vi que resolveste o problema que tinhas em enviar os teus sempre preciosos comentários. Fiquei muito contente como podes calcular.
Lindas as palavras do Vinícius.
Os dois agradecem as tuas amáveis palavras e enviam-te um beijinho,

Manel

sábado, abril 15, 2006 6:26:00 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home

/body>