Beira Meu Amor

A Beira foi o grande amor da minha vida. Recebeu-me com seis anos, em Novembro de 1950 e deixei-a, com a alma em desespero e o coração a sangrar, em 5 de Agosto de 1974. Pelo meio ficaram 24 anos de felicidade. Tive a sorte de estar no lugar certo, na época certa. Fui muito feliz em Moçambique e não me lembro de um dia menos bom. Aos meus pais, irmão, outros familiares, amigos e, principalmente, ao Povo moçambicano, aqui deixo o meu muito obrigado. Manuel Palhares

Archives
A minha fotografia
Nome:
Localização: Odivelas, Lisboa, Portugal

sábado, fevereiro 04, 2006

Oração


Hoje estou farto e estou cheio,
Cansado de ouvir coisas tristes.
Colocam-me a mim de permeio,
Entre vidas que são tão infelizes.

Gosto imenso com todos me dar,
Mas quando exerço esse direito,
Vêm para cima de mim derramar:
Desconsideração, ódio e despeito.

Meu Deus, Senhor, meu protector,
Ajuda-me nesta hora de amargura.
Peço, suplico-Te até, paz e amor,
Para quem vive no meio da tortura.

Socorre, com bondade, com doçura,
Almas sem sossego e em sofrimento.
Leva-lhes ao doente peito a candura,
Que as alivie de tanto afrontamento.


Manuel Palhares

Odivelas, 19 de Janeiro de 2006.

4 Comments:

Blogger Carlos Gil said...

Manuel, estou felicíssimo com ver-te por aqui, nos blogues. Tu, a qualidade da tua escrita, de há muito merecem um local público de exposição do tanto que tens deixado pelos grupos MSN, tanta qualidade e, lá, com visibilidade restrita a um grupo específico. Aqui ganhas mar, e eu sei que tu sabes nadar, leio-o constantemente.
Não contes muito comigo para deixar comentários. É verdade. Sou um turbo-leitor de blogues e visito imensos diariamente. Porém, é rarissimo deixar comentários, tal como raramente respondo aos que deixam no meu; até me chamam antipático, por vezes, mas tenho um bloqueio qualquer cvom as caixas de comentários: no 'meu', acho que não é o meu espaço; nos dos outros, parece que não me sinto à vontade, que não é a minha casa ou alguma coisa semelhante... por isso não (me) ligues se por cá aparecer a cuscar e nada disser. Também se o disser. Não ligues, mas conta comigo para cá vir, não só pelas novidades e exclusividades - aparecerão..., como para ler a roupa velha, tanta tão saborosa. Abraço do Web

quarta-feira, fevereiro 08, 2006 6:45:00 da tarde  
Blogger Manuel Palhares said...

Web, manguço, Amigo,

Tanta amabilidade sempre! Nunca és fanheiro e não regateias palavras que, embora nem sempre as mereçamos,vaidosos que somos, nos sabem bem.
Quanto ao deixares registo das tuas visitas, o que importa é saber que estás por aí e que podemos contar contigo, sempre que é preciso.
Um grande abraço amigo,

Manel

quarta-feira, fevereiro 08, 2006 10:47:00 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Aportei na Beira em 1957. Tinha 10 anos. Saí de lá em 1966, e, pela última vez, em 1970.
Encontrei hoje o seu blogue e, perante o interesse e sobretudo a qualidade do que vi e li, senti-me compelida a comunicar, ainda não sei bem o quê... ou por onde começar.
Voltarei a este sítio.
Julieta Ferrão

segunda-feira, fevereiro 20, 2006 1:16:00 da manhã  
Blogger Manuel Palhares said...

Julieta,

Seja muito bem-vinda e muito obrigado pela sua visita e pelas suas amáveis palavras.
Volte sempre, peço-lhe, e quando algo estiver menos bem ou mal, faça o favor de dizer, que isso também é ser amiga.
Um beijinho,

Manel

segunda-feira, fevereiro 20, 2006 2:03:00 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home

/body>