Beira Meu Amor

A Beira foi o grande amor da minha vida. Recebeu-me com seis anos, em Novembro de 1950 e deixei-a, com a alma em desespero e o coração a sangrar, em 5 de Agosto de 1974. Pelo meio ficaram 24 anos de felicidade. Tive a sorte de estar no lugar certo, na época certa. Fui muito feliz em Moçambique e não me lembro de um dia menos bom. Aos meus pais, irmão, outros familiares, amigos e, principalmente, ao Povo moçambicano, aqui deixo o meu muito obrigado. Manuel Palhares

Archives
A minha fotografia
Nome:
Localização: Odivelas, Lisboa, Portugal

segunda-feira, fevereiro 20, 2006

O Poeta da Semana : António Gedeão


Impressão digital


Os meus olhos são uns olhos.
E é com esses olhos uns
que eu vejo no mundo escolhos
onde outros, com outros olhos,
não vêem escolhos nenhuns.

Quem diz escolhos diz flores.
De tudo o mesmo se diz.
Onde uns vêem luto e dores,
uns outros descobrem cores
do mais formoso matiz.

Nas ruas ou nas estradas
onde passa tanta gente,
uns vêem pedras pisadas,
mas outros gnomos e fadas
num halo resplandecente.

Inútil seguir vizinhos,
querer ser depois ou ser antes.
Cada um é seus caminhos.
Onde Sancho vê moinhos
D. Quixote vê gigantes.

Vê moinhos? São moinhos.
Vê gigantes? São gigantes.


António Gedeão

Fonte: Gedeão, António (2004) . Obra Completa. Lisboa: Relógio D' Água.

12 Comments:

Anonymous Anónimo said...

Adoro Gedeão. Aliás adoro POESIAe não sei rimar. Incongruências da vida.Acho uma ideia belissima esta de um poeta por semana. Continua que eu continuo a cá vir e apreciar. A outra anonima era eu que me esqueci de assinar.
Um beijo
MManuel

terça-feira, fevereiro 21, 2006 4:41:00 da tarde  
Blogger Manuel Palhares said...

MManuel,

Olá, boa tarde e obrigado pela visita.
Então eras tu o/a anónimo/a?! Ainda bem. Isto porque para mistério, já tenho um para desvendar e que penso nunca o vir a conseguir: Quem é a misteriosa amiga que se assina Coca-Cola?
É uma poetisa de mão-cheia e diz que já trocou mensagens comigo no messenger. Pois sim. De pouco me vale, porque está a conseguir esconder-se muito bem, a pestinha.
Pois amiguinha grande, lá terás o teu poeta/poetisa por semana.
Um beijinho do miúdo desdentado com quem te cruzaste no Jardim do Bacalhau.

Manel

terça-feira, fevereiro 21, 2006 6:33:00 da tarde  
Blogger Henrique Santos said...

Meu caro Manel,
Aflito? Tu? foi uma impressão mal colhida, ainda por cima em verso... Aqui neste cantinho, bastas seres tu, nos teus escritos de grande valôr que se enquadram com o nosso convívio, e sem qualquer favor o enriquecem...
Vá toca lá a oferecer, o que bem sabes fazer, e que tanto gostamos. Eu sou leitor assíduo, ás vezes de pantufas, mas sou!
Um abração Ricky

quarta-feira, fevereiro 22, 2006 11:47:00 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Manuel,

trata-se duma simples experiência.

Um beijinho da, Aida

quarta-feira, fevereiro 22, 2006 2:46:00 da tarde  
Blogger Manuel Palhares said...

Ricky, meu amigo,

Muito obrigado pela visita e pelas amáveis palavras que me diriges.
Então, descansado e de pantufas é que se está bem.
Um grande abraço,

Manel

**********************************

Aida, minha amiga,

Experiência ou não, o certo é que já cá deixas um ar da tua graça.
Agora volta sempre.
Um beijinho,

Manel

quarta-feira, fevereiro 22, 2006 2:59:00 da tarde  
Anonymous coca-cola said...

Manel,
Nunca disse que tínha trocado mensagens contigo no messenger. Disse sim que troquei msg no MGM. Andas distraído .... andas, andas. E se não fosse essa distracção, já saberias que sou eu...eheheh.
Gedeão....conhecia a Pedra Filosofal e mais nada. Mas fui à procura e encontrei uma coisinha que é uma maravilha.

Chama-se Gota de àgua.

Eu, quando choro,
não choro eu.
Chora aquilo que nos homens
em todo o tempo sofreu.
as lágrimas são minhas
mas o choro não é meu.

Gostei muito.

Beijinhos

quarta-feira, fevereiro 22, 2006 4:00:00 da tarde  
Blogger Manuel Palhares said...

Coca-Cola,

Olá, boa tarde.
Tens toda razão: não disseste no messenger e sim no MGM.
Desde domingo que ando mais
atordoado que distraído, mas a coisa há-de ir ao sítio.
Muito bonita a dualidade do
empréstimo que Gedeão faz às dores da humanidade, em "Gota de Água".
E, já agora.


Ó mistério deste blog:
Ó sal, ó pimenta!
Que sem ti
Tão sem graça,
Ficava toda a ementa.

Lá suspeitar,
Eu suspeito.
Mas não digo.
Porque se digo,
O mistério
Fica desfeito.

E o que quero
E o que digo,
É contar
Sempre contigo,
E em coisas de amigo,
Nada ficar sem efeito.

Um beijinho,

Manel

quarta-feira, fevereiro 22, 2006 5:46:00 da tarde  
Anonymous Mayra Meireles said...

Pedra Filosofal
(António Gedeão)

Eles não sabem, nem sonham,
que o sonho comanda a vida
Que sempre que um homem sonha
o mundo pula e avança
como bola colorida
entre as mãos de uma criança.
***
Manel,
Eis a minha participação para a "Semana do Poeta".
Beijinhos,
Mayra

quinta-feira, fevereiro 23, 2006 3:56:00 da manhã  
Blogger Manuel Palhares said...

Mayra,

Muito obrigado pela tua colaboração na rúbrica "O Poeta da Semana", com este cheirinho da "Pedra Filosofal" do António Gedeão.
Um beijinho,

Manel

quinta-feira, fevereiro 23, 2006 1:30:00 da tarde  
Anonymous Girassol said...

Muito boa ideia esta, de escolheres um poeta por semana!
Cá estarei para os ler ...

Neste poema sou o Sancho por duas razões:
-sou gordita...
-vez moinhos em vez de gigantes...

Sempre foi assim...
Bjinho

quinta-feira, fevereiro 23, 2006 4:09:00 da tarde  
Anonymous Girassol said...

Corrijo:
" vejo moinhos em vez...."

quinta-feira, fevereiro 23, 2006 4:11:00 da tarde  
Blogger Manuel Palhares said...

Girassol, Girassol,

Sempre virada para o Sol, para a realidade da vida. Sensível, mas racional, com os pés bem acentes no chão.
Eu sou mais Quixote, mas só a fingir que não vejo o que me rodeia.
Os homens ainda não perceberam, mas a natureza está cheia de compensações. Era só segui-las e isto andava melhor.
Um beijinho,

Manel

quinta-feira, fevereiro 23, 2006 8:02:00 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home

/body>