Beira Meu Amor

A Beira foi o grande amor da minha vida. Recebeu-me com seis anos, em Novembro de 1950 e deixei-a, com a alma em desespero e o coração a sangrar, em 5 de Agosto de 1974. Pelo meio ficaram 24 anos de felicidade. Tive a sorte de estar no lugar certo, na época certa. Fui muito feliz em Moçambique e não me lembro de um dia menos bom. Aos meus pais, irmão, outros familiares, amigos e, principalmente, ao Povo moçambicano, aqui deixo o meu muito obrigado. Manuel Palhares

Archives
A minha fotografia
Nome:
Localização: Odivelas, Lisboa, Portugal

sexta-feira, fevereiro 20, 2009

Fim das Comunidades no MSN amanhã!

Meus queridos e caros amigos,

As Comunidades do MSN, conforme desde o passado mês de Outubro tem vindo a ser anunciado, acabam amanhã e sobre isso já falei em artigo anterior, mas volto aqui mais uma vez para um agradecimento final.
Muito obrigado por tantos anos de companheirismo, boas disposição, alegria e felicidade.
A todos agradeço, mesmo àqueles, poucos, com quem não me entendi, porque no fundo, foram diferenças de opinião sobre coisas menores, quando comparadas com as desgraças que assolam este mundo globalizado e sem governo, onde a pior de todas as doenças é a fome!
Este mundo onde imagens dos maiores horrores, via televisão, acompanham as nossas refeições, nos telejornais da hora do almoço e do jantar, parecendo que já nada nos impressiona, desde que não seja connosco ou com os nossos familiares e amigos mais íntimos.
Neste descontrolo em que caíram as finanças por todo o mundo e em que todos os dias são anunciados despedimentos em massa, com as consequentes tragédias na vida das famílias...
Como vai ser daqui para a frente, ninguém sabe!
É ver os responsáveis mundiais gaguejantes e nada convincentes a falarem sobre as previsões para o futuro.
Mas, como diz o poeta Reinaldo Ferreira, a quem o "grande jornalista" sr. Mário Crespo recorreu, no final do artigo que escreveu no JN, no passado dia 9 de Fevereiro, - esquecendo-se, por lapso, certamente -, de mencionar a fonte (ver meu artigo "Pura coincidência, ou "empréstimo"... aqui:

http://beirameuamor1944.blogspot.com/ ),


Mas dancemos; dancemos
Já que temos
A valsa começada
E o Nada
Deve acabar-se também,
Como todas as coisas.

Reinaldo Ferreira, no seu poema " Eu Rosie, eu se falasse, eu dir-te-ia"!

E até o Nada acabar, bailemos todos ao som da valsa...
Continuaremos a encontrar-nos, por certo, nos cruzamentos das linhas e nós da internet e até lá...
Beijinhos e abraços, para todos sem excepção, mas que fique bem entendido que os beijinhos são para as lindas meninas e os abraços para os rapazes!

Manuel Palhares

Odivelas, 20 de Fevereiro de 2009.

6 Comments:

Anonymous Tereza said...

Manel, melhor não poderia escever...
Como foi bom te ler tanta vezes, falas com alma , carinho e sempre com muita educação em todos os assuntos.Vamos nos encontrando nas "esquinas" : ) os grupos não serão mais os mesmos , isso é que dá pena ver como aos poucos se foram silenciando e as pessoas se destenciando, mas temos outras formas de nos encontrar, basta querer...
Um beijo carinhoso meu querido poeta . Um bom final de semana Tareca

sexta-feira, fevereiro 20, 2009 4:32:00 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Palhares...
tb deixei uma despedida no grupo da beira... não sei se amanhã estará aberto para o lerem...
qt à tua mensagem... alegra-me ver que pensas do mesmo modo do que eu... só que não tenho essa alma sofisticada que tens para a escrita... sabes, os meus ouvintes são crianças muito pequeninas e tenho que saber escrever para elas entenderem... eheheheh... ou é mesmo falta de jeito!
bjs
Isa

sexta-feira, fevereiro 20, 2009 8:06:00 da tarde  
Blogger Manuel Palhares said...

Tareca, Tareca,

Minha querida amiguinha de tantos anos, sempre amável e generosa a falar dos amigos.
Muito obrigado pelas tuas doces palavras que me comoveram e sossegaram um coração que sempre amou mas que já vai estando cansado.
É como dizes, vamo-nos encontrando nas esquinas da vida, o que é preciso é haver vontade para isso.
Um bom fim-de-semana para ti e para todos os teus e um beijinho cheio de carinho do amigo sempre ao dispor,

Manuel Palhares

sábado, fevereiro 21, 2009 11:49:00 da manhã  
Blogger Manuel Palhares said...

Isa, minha amiguinha,

Já te deixei uma pequena homenagem na Comunidade da Beira.
Não menosprezes a tua escrita porque, não sei se sabes, mas é mais difícil escrever contos infantis que romances para adultos. Informa-te com quem saiba e verás que é verdade o que te digo.
Quanto à história de despedida que escreveste na comunidade da Beira e que mete bruxas más e tudo - como nos teus contos para os miúdos -, está uma doçura!
Embora não gostemos do Multiply, continua a lá pôr os aniversários, pelo menos, porque sempre é uma maneira de não perderes de vez o
contacto com algumas pessoas que sempre foram amigas...
Um bom fim-de-semana e um beijinho do amigo sempre ao dispor,

Manuel Palhares

sábado, fevereiro 21, 2009 12:09:00 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Mas dancemos; dancemos
Já que temos
A valsa começada
E o Nada
Deve acabar-se também,
Como todas as coisas.

Peço desculpa, Manel, mas adorei o poema, que desconhecia, talvez por não ter uma vertente muito poética. Gosto muito mais, sem sombra de duvida, de prosa.
Engraçada, a maneira em como tomei conhecimento do poema. Como podes constatar, ás vezes as linhas tortas são muito úteis.
De qualquer maneira, eu decorei-o e agradeço-te a ti, esse facto, que me tornou mais rica...de cultura, óbviamente (o resto, continua na mesma, infelizmente, heheh).

Sobre o anunciado toque a finados...até á hora e data em que te estou a escrever, continua tudo na mesma. Pondo toda a gente expectante e alguns, já com certas reticências e pontos de interrogação.
Será? Não será? Hoje, amanhã ou dia 28?
Não sei,soa por aí qualquer coisa que se me está escapando e só espero que não tenha sido uma brincadeira de mau gosto.
No entanto, queria colocar aqui uma anotação muito particular, mas que resume a minha fora de pensar e ver as coisas.
Os grupos, tal como estavam, para meu gosto pessoal, claro, já estavam sem substância. Aquela tão propalada convivência moçambicana, estava já a esfarelar-se e estava a cair num marasmo e em temas que nada tinham a ver com os fins a que, inicialmente, se destinavam.
Uma coisa é debaterem-se assuntos, sérios ou menos sérios relacionados com o torrão que nos unia, outra coisa era a profusão de posts com flores e pensamentos, deslocados muita vez, da linha de sequência.
Ou as divertidas brincadeiras provenientes de temas que por acaso se iam postando, mas que nos proporcionavam alegres momentos de convivio e interacção.
Aqui, no novo lar que tivemos que alugar á pressa(repito, no meu modo de ver)essa salutar convivência, desapareceu.
As pessoas distanciam-se, procuram outros interesses, continuando na onda das flores e videos, em detrimento da convivência.
Momentos, houveram também, muito tristes e pesados. O ser humano, se bem que esteja estruturado para viver em sociedade, por vezes tem atitudes irracionais, que a despeito de tudo, o obriga a reagir de modo inconsequente, e a alvejar tudo o que não seja do seu agrado. A isso, aliam-se os diversos tipos de temperamento de que somos dotados e...está a confusão servida.
A par, sublinho, do mau caretismo e falta de educação e de pudor de muita gente.
As pessoas, querendo, vão-se encontrando nas esquinas, como aqui foi dito.
Por mim, ter-me-ás sempre á perna, picando ou gargalhando, mas sempre com um carinho muito especial, a que já nos habituamos. Em ti, posso encontrar sempre um ouvido atento, um ombro amigo e uns sábios conselhos a que sei que posso recorrer. De mim,terás tudo o que me for humanamente possivel, pois não será um desfazamento de grupos que nos irá tirar o contacto amigo e não virtual, que sabes que não é.
Por isso, e porque preservei os contactos daqueles que verdadeiramente estimo, não me vai fazer muita diferença. Porque para esses, eu estarei sempre presente, de uma maneira ou outra e faço questão de o estar nos momentos bons e menos bons. porque assim entendo uma amizade e um espírito de sã convivência moçambicana, de que não abdico.

E dançemos, dancemos.......

Desculpa o lençol, alonguei-me....por isso serei melga????
Um beijão, querido AMIGO,
SAO ALVES

domingo, fevereiro 22, 2009 7:22:00 da tarde  
Blogger Manuel Palhares said...

Princesa do Lima, Melga "bermelha",
Bianita e outros nomes...

Desconhecias o poema?
Adoraste?
Muito bem!
Só não tens é que pedir desculpa.
Se fossemos pedir desculpa por tudo o que não sabemos, nunca mais acabávamos.
Lá dizia Sócrates(o filósofo, não este que lhe pediu o nome emprestado!):

Só sei que nada sei.!

Mas quero esclarecer, para que não fiquem dúvidas, que o que eu cito, é apenas uma pequena parte do maravilhoso poema "Eu Rosie, eu se falasse, eu dir-te-ia", do poeta Reinaldo Ferreira, filho do jornalista com o mesmo nome, conhecido por Repórter X.
Reinaldo Ferreira, o poeta, viveu e faleceu em Lourenço Marques!

E aqui fica o poema completo!

Eu Rosie, eu se falasse, eu dir-te-ia

Eu, Rosie, eu se falasse eu dir-te-ia
Que partout, everywhere, em toda a parte,
A vida égale, idêntica, the same,
É sempre um esforço inútil,
Um voo cego a nada.
Mas dancemos; dancemos
Já que temos
A valsa começada
E o Nada
Deve acabar-se também,
Como todas as coisas.
Tu pensas
Nas vantagens imensas
De um par
Que paga sem falar;
Eu, nauseado e grogue,
Eu penso, vê lá bem,
Em Arles e na orelha de Van Gogh...
E assim entre o que eu penso e o que tu sentes
A ponte que nos une - é estar ausentes.


Quanto às comunidades, é exactamente como dizes: aquilo já estava uma pasmaceira!
Só mesmo o anúncio ao almoço dos amigos de Inhaminga, feito pela Senhora Dona Paula Simões é que veio animar um pouco o verão, porque apareceu para aí um indivíduo que não gostou mesmo nada de ser plagiado e deu no que deu... ah! ah! ah!
A gente vai-se encontrando por aí, porque o que agora mais há são meios para isso.

Dancemos, então, que até amanhã ainda é carnaval...
Um beijinho amigo,

Manuel Palhares

segunda-feira, fevereiro 23, 2009 5:56:00 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home

/body>