Beira Meu Amor

A Beira foi o grande amor da minha vida. Recebeu-me com seis anos, em Novembro de 1950 e deixei-a, com a alma em desespero e o coração a sangrar, em 5 de Agosto de 1974. Pelo meio ficaram 24 anos de felicidade. Tive a sorte de estar no lugar certo, na época certa. Fui muito feliz em Moçambique e não me lembro de um dia menos bom. Aos meus pais, irmão, outros familiares, amigos e, principalmente, ao Povo moçambicano, aqui deixo o meu muito obrigado. Manuel Palhares

Archives
A minha fotografia
Nome:
Localização: Odivelas, Lisboa, Portugal

domingo, dezembro 03, 2006

Contos da Natal - O Natal de 1951

O meu primeiro Natal em Moçambique, na cidade da Beira, foi o de 1950.
Eu e a minha mãe tínhamos chegado à Beira, no paquete Moçambique, da Companhia Nacional de Navegação, em finais de Novembro, numa manhã de sábado.
À nossa espera, no cais, louco de alegria, estava o meu querido Pai.
Do cais, fomos para a Pensão Leão de Ouro, na Ponta Gea, junto ao Jardim do Bacalhau e a cinquenta metros do Oceano Índico. Ali passei os primeiros oito meses de Beira: todos os dias ia para a praia, em frente ao Pavilhão Oceana, com a minha querida Mãe! Um mês depois da nossa chegada, foi o Natal e, dele, tenho poucas recordações. Eu só tinha seis anos!
Um ano depois, no Natal de 1951, já nós estávamos a habitar, desde o dia 1 de Agosto, aquela que foi a nossa primeira casa na cidade da Beira. Era uma casa que pertencia à Companhia Nacional Algodoeira e que foi cedida ao meu pai por uns meses. Essa casa, situava-se num pequeno largo que existia nas trazeiras da vivenda que ficava em frente ao Teatro Eduardo Brazão, perto, portanto, da Catedral da Beira e da Escola Eduardo Vilaça. Mas, o que eu quero mesmo, é aqui deixar o relato do que foi esse Natal e, pricipalmente, os dias que o antecederam.

Nessa altura já eu frequentava, desde o princípio de Setembro, a 1ª classe no Colégio Nossa Senhora dos Anjos (vulgo "Ma Mères"), e, portanto, já estava iniciado no significado religioso da data, para além, claro, daquilo que a minha mãe me ia ensinando. A minha excitação era muita, assim como o meu encantamento pela época.
Na semana que precedeu o Natal, eu e a minha mãe, por volta das quatro horas da tarde, metíamo-nos no autocarro, em frente à Catedral, e íamos ter com o meu pai, junto ao Café Scala. Dali, atravessávamos a rua e íamos lanchar ao velho Empório. Para mim esses lanhes eram um acontecimento: eram lanches com música ao vivo! É verdade! Alguns dos que aqui, eventualmente, farão o favor de me lerem, por certo se lembrarão dos fins de tarde daquela altura na Beira. Havia lanches com música ao vivo em vários locais da Beira: no salão de chá do velho Empório, no Beira Terrace, no Hotel Savoy, no Hotel Miramar e, por vezes, no pavilhão Oceana. A Beira era uma cidade com hábitos que imitavam o estilo de vida colonial inglês, das colónias inglesas vizinhas. Mas, voltando aos assuntos natalícios, depois do lanche, íamos ao Empório loja e os meus pais iam fazendo as compras para a época festiva que se aproximava, comigo sempre atento ao que compravam. Depois, também de autocarro, por volta das sete horas, regressávamos a casa. Num desses dias, por muita insistência minha, o meu pai lá comprou uma árvore de natal artificial e os respectivos enfeites. Chegados a casa e porque eu não me calava com tanta excitação, os meus pais armaram aquela que foi a nossa árvore de natal durante os seguintes vinte e quatro anos! Como eu ainda me lembro de todo aquele ambiente de grande alegria para mim, pricipalmente quando, na vépera de Natal, à noite, depois da Consoada, o meu pai acendeu umas velas que se colocavam na árvore de natal, dentro de uns pequenos castiçais, os quais se prendiam aos ramos da árvore por uma pequena mola.

Ainda me lembro da minha prenda nesse Natal: foi um carro vermelho que se movia com a ajuda de uma pequena bomba de ar.
Claro que naquela altura eu ainda não tinha definido o conceito de felicidade, mas que a minha alegria e bem estar eram enormes, lá isso eram e tudo isso graças aos meus queridos e saudosos pais.
Aproveito este relato, sem muita graça, mas cheio de doce nostalgia, do Natal de 1951, em Moçambique, na cidade da Beira, para desejar a todos os meus amigos e seus familiares, assim como a outros eventuais leitores, um muito Feliz Natal de 2006, com muita saúde, paz e alegria.
Um apertado abraço do,

Manuel Palhares

Odivelas, 3 de Dezembro de 2006.

11 Comments:

Blogger gotaelbr said...

Caro Manuel Palhares,

Vir aqui e ler o que nos ofereces com tanta nitidez é voltar ao Moçambique com o sabor que todos nós apreciamos. E é também um enorme prazer, podes crêr !
Obrigado por tuas palavras e votos Natalinos no ForEver Pemba. Retribuo com a mesma intensidade e calor, além de Amizade e consideração.
FELIZ NATAL e BOM ANO NOVO, para ti e todos os teus e pata teu excelente blogue.

Jaime Luis Gabão

domingo, dezembro 10, 2006 8:04:00 da tarde  
Blogger Manuel Palhares said...

Jaime,

Obrigado pelas tuas amáveis palavras, meu amigo.
Foi de ti que recebi o primeiro comentário aqui no blog!
Um abraço,
Manuel Palhares

terça-feira, dezembro 12, 2006 6:35:00 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Maneliiiii ja sabes ke é!
So para te dizer o kanto me encantou essa tua vivência! E olha ke nao sabia ke havia musica ao vivo, tambem ja nao era do meu tempo.Fizeste-me recuar no tempo, em ke éramos felizes e nao o sabiamos!
Sem graça? Cheio de graça e ternura.
Um beijao para todos ai em casa com votos de feliz natal já sabes.
Nós vamo-nos falando entretanto.

quarta-feira, dezembro 13, 2006 5:26:00 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Palhares
É uma ternura o teu 1º Natal na Beira. Acho que pela vida fora nos vamos lembrando dos Natais que nos trouxeram felicidade (o conceito vai mudando com os anos), da nossa infancia, da nossa adolescencia, de adultos e depois na idade linda que temos.
Um Bom Natal para ti e para os teus.
Beijinho
MManuel

quarta-feira, dezembro 13, 2006 9:07:00 da tarde  
Anonymous José Martins said...

Caro amigo Manuael Palhares,
Cheguei à Beira no ano de 1963. Uma cidade gira e me viria a fascinar por cerca de uns oito anos. Toda a gente se conhecia e se bebia nos bares assinando vales. Os melhores tempos da minha juventude foram passados nessa simpática cidade, cosmopolita, onde chineses, indianos, mulatos, pretos e brancos viviam em harmonia. A malta do meu tempo, que se juntava na Praça do Municipio tinha namoradas na Manga e para lá seguiamos à noite para pernoitarmos na "palhota". Quatro num carro e 10 escudos de gasolina a 2.50 a pagar por cada um. De manhã a malta levantava-se e ao caminhar pelos carreiros, entre capim e árvores de cajueiros, cruzavamo-nos com os rapazez que iam trabalhar para a cidade ou no Porto e cumprimentavam-nos: BOM DIA CUNHADOS!
Bom Natal e Feliz 2007.
Até para ano.
José Martins

quinta-feira, dezembro 14, 2006 6:18:00 da manhã  
Blogger Manuel Palhares said...

São,

Olá! Boa tarde!
Obrigado pela visita e pelas tuas palavras.
Sabe bem recordar, com nostalgia, momentos que foram muito felizes.
Obrigado pelos votos de feliz natal.
Um Feliz Natal para ti e para os teus.
Um beijinho,

Manel

***********************************

Maria Manuel,

Olá, boa tarde!
É isso mesmo Menina Grande.
E dizes uma coisa com a qual concordo: é linda a nossa idade de agora!
Obrigado pelos votos de Bom Natal.
Para ti e para os teus um Feliz Natal.
Um beijinho,

Manel

**********************************

Caro amigo José Martins,

Obrigado pela sua resposta e pelos seus votos de Boas Festas.
Foi bom ler o pedaço da sua vida na Beira, que aqui nos relata.
Para si e para todos os seus, um Feliz Natal e um Próspero Ano Novo.
Um abraço,

Manuel Palhares

quinta-feira, dezembro 14, 2006 1:19:00 da tarde  
Blogger Aninha said...

Lindo relato!!!!

Encontrei você pelo blog da Gabi - de Tudo um Pouco.

Se quiser visitar o meu, ficarei muito feliz!!!

Feliz Natal,

Paz e Bem,

sexta-feira, dezembro 15, 2006 1:07:00 da tarde  
Blogger Manuel Palhares said...

Aninha,

Olá amiguinha, boa tarde,

Obrigado pela sua visita e pelas palavras que aqui deixa.
Já tentei ir ao seu blog
mas, "clicando" no seu nome, não encontro o link para o blog. Pode-me enviar o link, por favor?
Tambén para você um Feliz Natal, com muita saúde, paz e amor.
Um beijinho,

Manuel Palhares

sexta-feira, dezembro 15, 2006 4:56:00 da tarde  
Blogger Isabel Ribeiro said...

Meu Querido Amigo Manel
Andava ansiosa de aqui vir-te falar, mas ou net dava e não deixava de dar; ou ficava a olhar o teclado e o pensamento voava tão rápido e não conseguia escrever uma letra no teclado.
"É HOJE" - disse eu e a net não ligava. Procurei ajuda, desliga, volta a ligar e depois de muita labuta aqui estou.
Manel, dos anos 50 ou 51 nada me lembro, era uma menina muito bebé.
Foi em 55 o grande NATAL na MISSA do GALO na MISSÃO DE S. BENEDITO - MANGA que fiz a 1ª comunhão com meus Pais ao lado.
Não mais esqueci e só hoje estou a escrever pois algo mais marcou esse dia. Depois da Missa havia CEIA lá em casa onde se juntaram os Amigos de meus Pais grupo de Católicos da Beira que se reuniam para conversar...
Nesse dia a reunião era lá em casa e meu Pai pediu-me como Acção de Graças um Sacrifício que minha memória não mais perdeu.
Estava alegre bem acordada e apetecia-me ficar para a Ceia, mas na altura as crianças eram postas em mesa ao lado e então eu fui-me deitar. Não sei como reagi, mas não mais me esqueci. Assim se formou um Coração Forte construído de muitas renúncias, mas o Natal foi sempre ou mais pobre ou mais rico conforme os anos, um dia que nunca em altura alguma deixei de festejar.
Um beijinho grande
Isabel

sexta-feira, dezembro 22, 2006 10:15:00 da manhã  
Blogger Manuel Palhares said...

Isabel,

A Missão de S.Benedito na Manga! Do que te foste lembrar e que saudades boas trouxeste para o meu velho coração...
Obrigado, minha amiga pela visita e pelas palavras que aqui nos deixas.
Um Feliz Natal para ti e para o teu filho Jerónimo, com muita saúde, paz e amor.
Um beijinho,

Manel

sexta-feira, dezembro 22, 2006 5:23:00 da tarde  
Blogger carlos said...

..É com encanto e entusiasmo o que leio sobre a Beira no seu fantástico blogue!..O Proprietário do Leão D'Ouro da Ponta-Gêa e do Macúti- Sr. Alípio José Martins e sua esposa, Dona Gabriela J.T.Martins- eram meus padrinhos de baptismos..e com eles vivi até aos 15 anos!..Resta a saudade..Parabéns por nos oferecer tanto..M.Palhares com o teu blogue...!..cdiascardoso@gmail.com..

sábado, agosto 28, 2010 11:49:00 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home

/body>